22 de jun de 2010

Como tirar as fraldas do bebê?

A cada etapa, muitas dúvidas.

O Pedro já vai fazer 2 aninhos daqui a pouco mais de 2 meses e chegou a fase de começar a tirar as fraldinhas dele. Confesso que para uma mãe que trabalha é difícil implementar algumas coisas que de forma geral não são um bicho de sete cabeças. Mas para quem depende de terceiros essas coisas ficam mais complicadas. Porque depende da minha atitude e orientação, mas no tempo que não estou junto com ele depende do comprometimento da babá em dar continuidade ao que orientei, em continuar o que aplico quando estou com ele. Isso serve para um monte de coisas importantes como tirar o bico, não deixar fazer tudo que quer e aí vai.


Fácil ou não cheguei nessa fase: preciso tirar as fraldas do Pedro.

Como sempre faço, procuro orientação com o pediatra do Pedro, troco idéias com minhas amigas mais experientes e pesquiso na internet opinião de outras mães e especialistas. Achei algumas coisas interessantes no bebê.com e quero compartilhar com vocês que estão passando ou vão passar por essa fase.

Confiram: Fraldas nunca mais.
Fonte: bebe.com.br

Quer tirar a fralda do seu bebê? Pois saiba que não basta deixar a criança pelada, fazendo xixi à vontade. “Ela só conseguirá se livrar das fraldas se for preparada para isso”, avisa o pediatra Renato Lopes de Souza, da Universidade Federal de São Paulo. O sucesso depende da maturidade do pequeno e da paciência dos pais. Fisiologicamente a criança está pronta para abandonar as fraldas a partir de 2 anos. “É quando adquire o controle dos músculos e nervos do ânus e da uretra”, justifica Souza. Até os 4 anos, no entanto, acidentes ainda são normais.
Para botar em prática essa habilidade, a cabeça do seu filho precisa ser treinada — e aí entram os pais. Mostre a ele as questões que envolvem o troninho. O xixi na fralda, o cocô que vai embora na descarga e a importância dos hábitos de higiene são algumas lições. É importante perguntar se ele gostaria de experimentar o banheiro. Aqueles que já estão no ponto costumam mostrar a fralda molhada ou avisam que vão fazer cocô. Também não suportam ficar sujos e pedem para ser trocados.
A fralda diurna é a primeira a ser abolida.
Uma tática boa é colocar a criança, assim que acordar, no penico ou no vaso sanitário. Nesse caso não se esqueça do redutor de assento, peça fundamental para deixar o baixinho mais seguro diante daquele baita buracão. No início pode ser que ele faça apenas um pinguinho de xixi, mas tudo bem. A partir daí é só levá-lo a cada duas horas ao banheiro. Com o cocô é mais fácil, porque a criança já está habituada a fazer sempre no mesmo horário.
Quando o pequeno conseguir controlar o xixi e o cocô e aprender a usar o penico ou vaso sanitário (o que pode levar até quatro meses), é hora de abandonar a fralda noturna. Para isso ele deve dormir em cama, pois pode dar vontade de correr para o banheiro durante a noite. Também é essencial abolir a última mamada. São 250 ml de líquido a menos na bexiga. E a regra principal: antes de dormir a criança precisa fazer xixi.

Não é aconselhável deixar passar da época certa para desfraldar. A criança pode se acomodar e, depois, o processo fica mais complicado. Também é péssimo forçar a barra. Quando não está preparado, o pequeno acaba segurando demais o xixi. Daí, o conselho para os pais é abandonar o processo por uns 15 dias e, então, tentar novamente.

Veja os conselhos dos médicos para ajudar os pais e as crianças nesse processo:
1ª semana: leve o pequeno ao banheiro a cada duas horas para fazer xixi. No caso de cocô, respeite os horários de costume. Espere sempre ao lado dele, sem apressá-lo, até que finalize a tarefa. Limpe-o e vista a cueca ou calcinha.
Dica: cante parabéns e festeje as primeiras vezes do xixi e cocô no peniquinho.
2ª semana: continue levando a criança para fazer xixi e cocô, mas deixe-a sozinha no banheiro. Peça que chame quando tiver terminado.
Dica: recaídas são esperadas. Jamais dê bronca. Em vez disso, diga coisas como: “Você fez xixi na calça, mas não tem problema. Dá próxima vez conseguirá chegar a tempo ao banheiro”.
3ª semana: deixe a decisão de ir ao banheiro por conta da criança, mas pergunte se não está com vontade pelo menos umas quatro vezes ao dia. Dica: quem limpa o pequeno são os pais, mas mostre para ela como se faz. Nunca se esqueça de apertar a descarga e lavar as mãos (as suas e as da criança) depois de usar o banheiro.
4ª semana: agora não pergunte nem ofereça. Deixe que a criança vá ao banheiro por conta própria.

E como num passe de mágica em quatro semanas o bebê já estará sem fraldas?
Humm, não sei não!!
Mas vou tentar tudo isso aqui em casa e conto para vocês minha experiência, e por falar nisso, que tal comentários das mamães mais experientes para esse assunto?
Conte para gente como tirou as fraldas dos seus filhos (as), o que funcionou, o que não deu certo.
Vou publicar tudinho aqui depois.

beijo grande, Mey.

3 comentários:

LuMenezes disse...

Mey, esta não é uma fase fácil... mas passa! A pediatra dos meus filhos me orientou a nunca brigar ou chamar a atenção quando eles fizessem na roupa, no sofá, na cama, etc... Acho que isso é muito importante, ter calma, paciência e agir com naturalidade, algumas crianças aprendem rápido, outras demoram um pouquinho mais, mas todas aprendem!!!!

Ana lucia disse...

Oi Mey!
Vou deixar para tirar o Gui da fralda depois que passar o inverno. Aqui na minha cidade é muito frio, e com certeza ia ser mais um fator estressante para ele. E acredito que tudo tem seu tempo!! beijos Ana Lucia

Flá disse...

Mey, meu pai é pediatra e as orientacoes dele batem direitinho com as que você postou!!! Boa sorte com o Pedro! saudades. bjs Flá