19 de jun de 2010

Febres e convulsões em bebês

Gente que susto que eu tomei hoje! 
Escutei um barulho na rua e era minha vizinha com a filha, coleguinha do Pedro, nos braços tendo uma convulsão. O marido estava dando banho na menina quando começou a crise. Desesperados os pais vieram pedir socorro ao meu vizinho que é médico. Eles correram para o pronto socorro e o LC (meu marido) foi junto para dar um apoio ao casal que é muito amigo nosso. Eu fiquei em casa orando muito à Deus e cuidando do Pedro. Felizmente deu tudo certo, não foi nada sério e a lindinha está bem. Mas essas coisas abalam muito a gente, eu sou mãe e fiquei muito preocupada com isso e é claro corri para a internet para saber mais sobre essa estória de convulsão.



Li muita coisa e selecionei o que achei relevante para compartilhar com vocês:

Quais são as causas das convulsões em crianças e bebês?

Nos bebês, a mais comum é a febre, principalmente o aumento da temperatura que acompanha uma infecção viral. Não se descartam os transtornos metabólicos de glicose (diminuição), cálcio, magnésio ou sódio, diminuição da oxigenação cerebral, infecções, hemorragias ou tumores do sistema nervoso, e intoxicações. Além da febre, existe uma predisposição individual. Crianças com maior tendência a ter convulsões na presença de febre, herdam dos seus pais. Este antecedente se encontra em 30% dos casos. A febre por infecções do tipo catarral é a que produz mais convulsões.

 
Se acontecer com meu bebê, o que devo fazer?
A primeira coisa, é manter a calma e tentar baixar a febre da criança. Terá que desnudá-la e passar uma esponja macia, embebida de água morna (não gelada) pelo seu corpo. Não convém imobilizá-la nem colocar nada entre os dentes. Deve-se abrir um espaço ao seu redor para que não faça mal a si mesma. E manter a tranquilidade. Enquanto toma essas medidas preliminares entre em contato com o pediatra ou leve rapidamente a criança ao pronto socorro mais perto para administração correta de medicamentos.


A crise convulsiva costuma ser um momento muito estressante. A primeira coisa que deve se ter em mente é que a maioria das crises dura menos que 5 minutos e que a mortalidade durante a crise é baixa. Assim, deve-se manter a calma para que se possa, efetivamente, ajudar a pessoa.


Quais medidas protetoras que devem ser tomadas no momento da crise?
• Deitar a pessoa (caso ela esteja de pé ou sentada), evitando quedas e traumas;
• Remover objetos (tanto da pessoa quanto do chão), para evitar traumas;
• Afrouxar roupas apertadas;
• Proteger a cabeça da pessoa com a mão, roupa, travesseiro;
• Lateralizar a cabeça para que a saliva escorra (evitando aspiração);
• Limpar as secreções salivares, com um pano ou papel, para facilitar a respiração;
• Observar se a pessoa consegue respirar;
• Afastar os curiosos, dando espaço para a pessoa;
• Reduzir estimulação sensorial (diminuir luz, evitar barulho);
• Permitir que a pessoa descanse ou até mesmo durma após a crise;
• Procurar assistência médica.


Se possível, após tomar as medidas acima, devem-se anotar os acontecimentos relacionados com a crise. Deve-se registrar:
• Início da crise;
• Duração da crise;
• Eventos significativos anteriores à crise;
• Se há incontinência urinária ou fecal (eliminação de fezes ou urina nas roupas);
• Como são as contrações musculares;
• Forma de término da crise;
• Nível de consciência após a crise.


Várias medidas erradas são comumente realizadas no socorro de uma criança com crise convulsiva.
O que NÃO DEVE SER FEITO?

• NÃO se deve imobilizar os membros (braços e pernas), deve-se deixá-los livres;
• NÃO tentar balançar a pessoa Isso evita a falta de ar.
• Não coloque os dedos dentro da boca da pessoa, involuntariamente ela pode feri-lo.
• NÃO dar banhos nem usar compressas com álcool caso haja febre pois há risco de afogamento ou lesão ocular pelo álcool;
• NÃO medique, mesmo que tenha os medicamentos, na hora da crise, pela boca. Os reflexos não estão totalmente recuperados, e pode-se afogar ao engolir o comprimido e a água;
• Se a convulsão for provocada por acidente ou atropelamento, não retire a pessoa do local, atenda-a e aguarde a chegada do socorro médico.

O que é importante saber sobre a febre?
1º - Nunca deixem a febre subir tanto, acima de 38,5º já é motivo de preocupação. Façam compressas de água morna (nunca fria ou gelada) na testa, axilas e virilhas;
2º -  Até 37,8 não dê remédio. Este estado, chamado de subfebril, pode ser revertido apenas com o banho morno, quase frio, nunca gelado. Oferecer um antitérmico, nesta situação, pode levar à hipotemia aguda, ou seja, a temperaturas abaixo de 36º.
3º - Se a febre ultrapassar 39 graus sem ceder, levem ao hospital (melhor errar por excesso, do que por negligência);
4º -  Caso seu filho tenha tido convulsões antes, observe para que a temperatura não ultrapasse os 38,5º, após essa temperatura há risco de reincidência.
5º - Durante a febre, quanto mais líquido, melhor. A ingestão de água, sucos, leite e gelatinas serve para repor o líquido perdido através do suor, além de baixar a temperatura do corpo. A amamentação não deve ser interrompida também. Em caso de vômitos ou diarréia, entre com o soro caseiro ou o que é vendido nas farmácias. E muito cuidado com a desidratação. Se notar que o bebê está com a boca e os olhos secos, urinando pouco e muito apático, leve-o imediatamente para o hospital.
6º - Em todo momento consulte o pediatra, pois ele é o mais indicado para te aconselhar nessas situações.


É isso, que sustão eu tive hoje. Me fez parar para refletir o quanto a saúde de nossos filhos é importante e o quanto é frágil. Por isso, todos os dias eu confio a vida do Pedro à Deus, para que Ele, como o Pai bondoso que é proteja nosso menininho de todo mal e proteja os filhos das minhas amigas também. Amém!

beijos emocionados, Mey

3 comentários:

annita disse...

olá MEY,obrigada por compartilhar tal situação e fazer esse alerta,grata também pelas dicas,Mey essas suas palavras de que vc confia o Pedro a Deus,é tudo que eu estava precisando ouvir hoje,porque é justamente o que estou precisando fazer,pois eu tenho tanto medo que algo aconteça ao meu pequeno que acho estou ficando meio paranoica,hoje mesmo fomos a uma festinha e vendo aquelas crianças todas correndo e a possibilidade de uma delas derruba lo ou ele cair de algum brinquedo me fez vir embora na mesma hora,vejo perigos por todos os lados,isso me tem feito evitar varios lugares e varias pessoas.um abraço.

Ariela disse...

Gente que nervozo que deve dar... Mas muito bom saber o que fazer nestas horas!!!
bjs

LuMenezes disse...

Mey... nessas horas de sufoco, só Deus mesmo, para nos dar sangue frio, conseguirmos nos controlar e tomar as atitudes certas!!!!