30 de jul de 2012

Segundo filho: coração de mãe sempre cabe mais um.


Olá Amigas!
É sempre tão gostoso estar aqui compartilhando meus pensamentos, minhas opiniões, experiências. Pena que sou tantas pessoas dentro de mim, tantos papéis e tem horas que me perco e não encontro tempo suficiente para dedicar a tudo que amo, como blogar.

Estou vivendo um momento muito especial na minha vida. A segunda gestação é tão mágica, intensa e especial como a primeira, a diferença bem sutíl é que o tempo é mais curto, os meses de gestação são como semanas, quando a gente vê tudo passou tão rápido.

Quando se engravida do segundo filho a gente tem além desse novo sentido de vida sendo gerada, que cresce aceleradamente, tanto de forma física como emocional dentro da gente, mas uma outra vida para cuidar extra-uterina: o primeiro filho. Confesso a vocês que isso é bem conflitante e que a gente se desdobra exercitando desde já a prática de ser mãe de dois. E sei que isso vai evoluir ainda mais.

O tempo que estou com o Pedro é sempre intenso, me desdobro para que ele tenha experiências inesquecíveis ao meu lado, para que ele não perca nada de mim e que a gente tenha o máximo de relacionamento possível. Eu tenho me esforçado para que o barrigão não me prive das nossas brincadeiras, e acreditem, não tem sido fácil não. E olha que o Pedro é muito compreensivo, ele sempre me lembra: "Mamãe, cuidado com a Marina."

O fato é que quando o segundo filho está a caminho a gente começa a aprender a multiplicar o amor maternal, aprende que faz todo sentido a frase "coração de mãe sempre cabe mais um" e cabe mesmo, a gente consegue amar do mesmo jeito os dois filhos, cada vez mais.

Deus é muito sábio, como diz a Sua palavra em Eclesiastes: "Há tempo para todas as coisas" e esse tempo são os 9 meses de gestação. A gente vai aprendendo a entender esse novo amor e a ensinar o primeiro filho a amar o irmãozinho(a), a esperar com felicidade por essa chegada, por esse presente. O Pedro está tão feliz e ansioso pela chegada da irmãzinha quanto a gente.

Antes de engravidar da Marina, ainda nos tempos de decisão se engravidava ou não, eu olhava para o Pedro e sentia um medo incrível de "roubar" dele alguma coisa com a chegada de um irmãozinho. Tinha medo de dividir o amor que temos com ele com outro filho e acabar faltando. Tinha receio de não conseguir dar para ele o mesmo amor, dele sair prejudicado em alguma coisa. Não sei quantas mães pensam essa mesma bobagem, mas hoje posso dizer com toda certeza que não existe divisão de amor, o que existe é a multiplicação do amor. Com a chegada do segundo filho, dobra a nossa capacidade de amar, de proteger, de cuidar ainda mais do primeiro. A gente quer ser mãe ainda melhor, a gente se sente ainda mais completa na maternidade. No meu caso, penso que ter a Marina é a prova do amor que tenho pelo Pedro e vice e versa, pois sei que quando eu não mais estiver aqui, eles terão um ao outro para proteger, para amar e cuidar.

Ainda não posso dizer ao certo que já estou totalmente adaptada a essa nova realidade, que estou certa de tudo que vou fazer e como vou fazer. Estou certa que vou errar e acertar. Mas sei de uma coisa, sou grata demais a Deus por ter me dado esse novo presente e meu amor tem se multiplicado a cada minuto. Peço a nosso Senhor que me instrua com sabedoria nessa nova função: mãe de dois.

Obrigada Senhor! Sou grata por todas as bençãos que tens derramado na minha casa.

Com muito amor nesse grande coração...
Mey

9 comentários:

Carol Siqueira disse...

Lindo, amiga!
Post de alma!!!!!

Bjos de Carol Siqueira, FalaMamãe.

Anônimo disse...

Que lindo Mey!
É isso mesmo, tambem me senti assim esperando o segundo e terceiro bebê!
E com certeza o amor vai se multiplicando e a gente vai amadurecendo e aprendendo a amar mais e melhor!
Que Marina tenha uma mae mais segura, paciente e experiente! Esse presente é o Pedro quem está dando para ela! Rssss
E para o Pedro, o maior presente será mesmo a Marina - que apesar de causar sentimentos conflitantes e confusos no começo lhe dará a bênçao de ser irmão! Que delicia é ter irmaos!!! (embora as vezes demore uns 30 anos pra gente entender isso! Kkkkk)
Bjs
Barbara Testa

Loja Primeira Idade gestante e bebê disse...

Oi Mey, concordo com vc plenamente: NÃO É DIVISÃO DE AMOR E SIM MULTIPLICAÇÃO..as minhas filhas já estão com 18 e 21 anos..então já tem um tempinho rsrsrsrsr que passei por essa emoção...
Bjsss
Ana B Vicentini

Anônimo disse...

Amiga, a vinda de um novo filho e a prova de como DEus e maravilhoso, o amor que tínhamos e pensávamos que era o maior do mundo, se multiplica cada dia mais. Acabamos por redescubrir este amor. Tem dias que penso como posso amar tanto assim estes pequeninos que tanto dependem de nos. A marina e o Pedro tem sorte de ter uma Mae maravilhosa como vc. Beijinhos marcia

Gabizinha disse...

Amiga, este post contém tanta emoção, tanto amor, tanta verdade, tanto carinho, ... Enfim, esse post nos mostra o quanto vc evoluiu como ser humano e o quanto vc tem para nos acrescentar a cada dia. Sou muito grata pela sua amizade e por poder participar desse momento tão mágico na sua vida. Parabéns!

Carina disse...

Nossa que lindo esse post, acho que dar um irmáo a um filho é um dos atos de maior amor...Bjus Ca

Carina disse...

Mey
Se puder passe no meu cantinho, vc é uma das blogueiras que mais me inspira, sempre que te "leio" a palavra "delicada" vem a minha mente, te acho super suave e forte ao mesmo tempo.
www.cafecomlulus.blogspot.com
Bjus
Ca

Vanessa Prometi disse...

Incrível como você espelhou a minha dúvida atual, de cada instante.
Muito providencial mesmo, querida, como sempre.
Beijo
Vanessa Prometi

Vanessa Prometi disse...

Incrível como você espelhou a minha dúvida atual, de cada instante.
Muito providencial mesmo, querida, como sempre.
Beijo
Vanessa Prometi